"A matéria-prima do poeta é a palavra e, assim como o escultor extrai a forma de um bloco, o escritor tem toda a liberdade para manipular as palavras, mesmo que isso implique romper com as normas tradicionais da gramática.
Limitar a poética às tradições de uma língua é não reconhecer, também, a volatilidade das falas". (Autor Desconhecido)
Seja bem-vindo. Hoje é

sábado, 5 de setembro de 2009

Dona de Mim















Meu corpo tem suas marcas
Teu perfume em mim se impregnou
Teu sorriso em meu semblante permenece
Em minhas entranhas tem seu sabor.

 Em meus olhos tem seu brilho
Em minha pele tem seu suor
Meus ouvidos têm seu tom de voz
Meu paladar tem seu gosto.

É a flor do meu jardim
É o sol que ilumina meu dia
A lua que me tira da escuridão
O ar que respiro fazendo-me viver

Não tem como te esquecer
Não posso te mandar embora
Pois já faz parte do meu Ser
Tornaste dona de mim agora.

Meu corpo tem suas marcas
Em meus olhos tem seu brilho
É o sol que ilumina meu dia
Tornaste dona de mim agora.

(Ataíde Lemos)

2 comentários:

Ataide Lemos disse...

Ataíde,

Lindo poema, repleto de romantismo e de uma exaltação ao amor suave e bela!

Parabéns, sempre!

Beijos,

Reggina Moon

Vera Lúcia disse...

Quando amamos de verdade é assim. Um passa a ser parte integrante do outro, as almas se unem despertando um mundo de sensações e a presença do outro, se torna tão imprescindível quanto o ar que respiramos. Seu poema traduz essa simbiose de amor com muita suavidade e beleza.

Direitos Autorais

Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98, violá-los é crime estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal Brasileiro.
Todas as imagens, postadas aqui foram retiradas da Internet e por esse motivo suponho ser do domínio público. No caso em que haja algum problema ou erro com material protegido por direitos autorais, a quebra dos direitos de autor não é intencional.



Seu IP foi registrado - Grato pela visita!

IP